Bom dia! Hoje é segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018 | 05:03

Um pouco de compaixão / Web Rádio Vida Espírita - Andradina/SP
Imprimir matéria

05/12/2017 [13h39] | Reflexões

Um pouco de compaixão

Um pouco de compaixão

É verdade que algumas vezes nos irritamos com aquele que vem nos bater à porta de casa, nas horas mais inconvenientes, a nos pedir coisas.


Acontece de nos incomodarmos com alguém que nos aborda na rua, a pedir um trocado, algo para comer, umas moedas.

Às vezes, somos intolerantes com aquele que insiste em solicitar algo no sinaleiro, na calçada, cruzando nosso caminho nos momentos de maior pressa.

É comum julgarmos aquele que pede, o que estende a mão aguardando moedas, o que faz da esmola a fonte de sobrevivência.

Fazemos análises rápidas, usamos de conclusões que se tornam chavões, e rotulamos essas criaturas.

Poucas vezes refletimos sobre o que teria levado essa ou aquela pessoa a essa situação de mendicância.

Não encontramos tempo para outras análises e possibilidades para avaliar melhor a situação.

Raramente nos colocamos em seu lugar, num exercício de empatia e compreensão.

Alguns ali estão porque se deixaram levar no roldão dos vícios, perdendo família, emprego, relações sociais.

Outros viram o desemprego desestruturar sua vida, jogando-os à margem da sociedade, sem recursos para manter-se e manter aos seus.

Outros trazem histórias de vida difíceis, de famílias complexas, sem terem tido acesso aos bancos escolares, impedindo que muitas oportunidades lhes surgissem no caminho.

Enfim, eles estão ali, vivenciando suas dores.

De um modo geral, pensamos que aquele que quer, que tem força de vontade, que se esforça, consegue superar toda e qualquer adversidade.

Sim, pode ser verdade. Mas, nem sempre. É verdade para aqueles com resistência emocional, com estrutura intelectual, com um caráter mais forjado e sólido.

Contudo, são muitos os frágeis, que sucumbem às próprias agruras, sem forças para se erguerem.

Já pensamos, em algum momento, se nós seríamos fortes, bravos, corajosos, se revezes semelhantes nos alcançassem?

Se tivéssemos nascido em um lar desestruturado, se tivéssemos nos deparado com a fome, a miséria, se não tivéssemos nenhuma referência positiva, conseguiríamos tudo superar?

Talvez se, em nossas reflexões, andarmos por essa via, ela nos ajude a termos um pouco de empatia.

E, assim procedendo, colocando-nos no lugar desses que mendigam, possamos substituir, por um momento que seja, nosso julgamento apressado por um pouco de compaixão.

Seria tão salutar se pudéssemos oferecer, a esses que passam por tantas dificuldades, um olhar de compaixão.

Com certeza lhes faria bem que os olhássemos no fundo dos olhos, como irmãos, que verdadeiramente são.

Um sorriso, um olhar de compreensão, um aceno ou um cumprimento, podem mudar o seu dia.

Façamos esse exercício.

Esvaziemos um tanto nossos corações dos frios julgamentos que colecionamos, para nos propormos a uma outra análise.

Poderemos fazer isso um dia, outro dia, ao menos para uma pessoa. Será o início de um bom exercício, que poderá se desenvolver, em nossa intimidade, na sequência das semanas.

E, com certeza, fará muito bem a quem perdeu sua autoestima, há muito tempo, ser olhado como um ser humano, alguém credor de um cumprimento, de um aceno, um sorriso.

Pensemos nisso.


Fonte: Momento Espírita

Comentários

Outras matérias

  • Momento Espirita

    Somos construtores de nós mesmos

    O pai do menino Blaise Pascal estava acostumado a lidar com números. Além de ser matemático, trabalhava para o governo no setor de cobrança de impostos. Blaise nasceu em 1623, na França. Aos três anos perdeu a mãe e passou a ser criado exclusivamente pe...
  • Momento Espirita

    Conquistas do Espírito

    Ela nasceu no México, em uma cidade chamada São Miguel de Nepantla. Filha de um pai basco e de uma mãe índia, cedo mostrou seus dotes intelectuais e sua rara inteligência. Aos três anos aprendeu a ler e aos cinco iniciou a escrever versos. Seu sonho ...
  • Reflexões

    Últimas vontades

    Você já se deu conta de que, de modo geral, costumamos doar nossos bens, somente após a morte? Naturalmente, isso equivale a dizer que legamos nosso patrimônio a parentes próximos ou distantes, registrando em testamento as nossas vontades. Estabelec...
  • Momento Espirita

    Nosso verdadeiro lugar

    Jesus era um educador de qualidades especiais. Ele não perdia oportunidade alguma para o ensino. Toda ação, palavra, feito que ocorresse onde Ele estivesse, era motivo de observações precisas. Como nosso Modelo e Guia, tinha plena consciência de que ...
  • Momento Espirita

    Recomendações derradeiras

    Um dia, que ignoro, meus olhos hão de se fechar para esta existência. Mais cedo ou mais tarde, meu corpo, ainda jovem, ou quem sabe, cansado e enfermo, há de se entregar irremediavelmente e deixará de vibrar. Minhas mãos hão de repousar inertes e me...

RECADOS

  • FRANKLIN SANTOS DO NASCIMENTO MARIANO | salvador - BA

    MUITO BOA RADIO GOSTEI E RECOMENDO SEMPRE AOS MEUS AMIGOS . OUÇO PELO APLICATIVO RADIOS.NET PARABÉNS SEMPRE OUÇO QUANDO ...

    13/11/2017 às 09h47

  • Silvio Soriano Arcova | Osasco - SP

    Boa tarde Pessoal da Rádio. Comecei a ouvir esta Rádio a poucos dias e fiquei muito contente e percebo que é de alta q...

    18/10/2017 às 17h20

  • Goreti Frey | Jaguarão - RS

    Adoro ouvir essa rádio,me traz muita paz,

    28/09/2017 às 17h29

Escrever recado

NOVIDADES

Assine nossa newsletter e fique por dentro das novidades!

«« Copyright © 2017 Web Rádio 'Vida Espírita' - Andradina/SP © Todos os Direitos Reservados »»
0%
Streaming GuboHost